segunda-feira, 6 de outubro de 2014

A América antes dos europeus

Localização da América


Visita virtual a Machu Picchu
Jogo templo maia

Jogo segredos maias

Astecas
Império Asteca

Os Astecas
Povos indígenas no Brasil Mirim
A situação dos povos indígenas no Brasil atual

Curso
A América e seus habitantes

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Leonardo da Vinci e suas invenções

Museu na sala de aula: Leonardo da Vinci e suas invenções

Leonardo da Vinci foi um dos maiores gênios da humanidade. Para homenageá-lo, vamos montar uma exposição com réplicas reduzidas (maquetes) de suas invenções. 



Tarefas

·  Redigir um texto sobre a vida de Leonardo da Vinci (no máximo uma página);
·  Montar a maquete de uma invenção de Leonardo da Vinci;
·  Redigir uma etiqueta explicando a invenção.

Passo-a-passo

1. Montar uma equipe de até 5 membros.

2. Dividir as tarefas entre os membros da equipe: pesquisador, redator, engenheiro, pintor e montador.

3. Pesquisar a vida de Leonardo da Vinci.

4. Escolher uma criação sua para montar a maquete. Pesquisar sua serventia.

5. Redigir o texto com uma pequena biografia de Leonardo da Vinci e explicar para que servia a invenção escolhida.

6. Montar a maquete.

Sugestões de sites para consulta








www.google.com.br - Google imagens 

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Criando um app (aplicativo) para celular


Fábrica de Aplicativos
http://fabricadeaplicativos.com.br/

Appery.io
http://appery.io/

Appy Pie
http://www.appypie.com/

MIT App Inventor
http://appinventor.mit.edu/explore/

Tutoriais do MIT App Inventor
http://appinventor.mit.edu/explore/ai2/tutorials?

Android Studio (beta)
https://developer.android.com/sdk/installing/studio.html

App Maker
http://appmakr.com/




Criando jogos


FazGame

http://www.fazgame.com.br/

Tutoriais do FazGame
http://www.fazgame.com.br/tutorials.html


GameSalad

http://gamesalad.com/


Kodu

Baixar o Kodu
http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=10056

Como criar seus próprios jogos usando o Kodu
http://revistawindows.com.br/tutoriais-e-artigos/aprenda-como-criar-seus-proprios-jogos-usando-kodu/

Tutorial Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/2c93a2d0-4d61-4ded-adb0-2264cbf762f9

Tutorial básico do Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/6cd6a49d-8c01-42c2-97d6-db96422426ca

Criando um jogo simples no Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/a2b24d07-d0b6-49c4-92c3-36b7c4934155

Tutorial mostrando o básico para Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/4db86bd8-74ac-4478-888f-619231f0c7ad

Programação elementar do Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/92dbb576-0d6f-4e54-a29f-4cc208e90381

Kodu tutorial
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/ea8c8f48-da6e-41ad-a05d-c7cbfcd5508d

Fazendo um jogo de 2 jogadores no Kodu
http://www.pil-network.com/Resources/Tutorials/Details/ba13ab2b-6af7-490a-9efd-7695ee8398b5


Scratch

http://scratch.mit.edu/

Primeiros passos
http://oficinas.pensamentodigital.org.br/ambientes_simulacao/scratch/tutoriais.html

Tutorial básico (em PDF)
http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Projetos/ie/Documentos/scratch.pdf

Tutorial 1
https://www.youtube.com/watch?v=yyfN4rbJHcc

Tutorial 2
https://www.youtube.com/watch?v=ugZUw64zlBE

Tutorial 3
https://www.youtube.com/watch?v=y_lTyV_ietw

Tutorial 4
https://www.youtube.com/watch?v=oi4TvHYBYcs

Tutorial 5
https://www.youtube.com/watch?v=agu1_DoDG2s

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Nazismo e Segunda Guerra Mundial

Reportagens

Segunda Guerra
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/index_flash.html

Stalingrado
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/edicao005/indice.shtml

Holocausto
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/edicao008/indice.shtml

Infográficos

Segunda Guerra
http://www.clicrbs.com.br/zerohora/swf/especial_segunda_guerra/index.html

Guerra relâmpago
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/infos/guerra_relampago/info.html

Pearl Harbor
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/infos/pearl_harbor/info.html

Dia D
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/infos/dia_d/info.html

Morte de Hitler
http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/infos/morte_hitler/info.html

Rotas de fuga dos campos de concentração
http://www.arqshoah.com.br/rotas-de-fuga/

Desenhos animados

Educação para a morte
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=f9Tn1XcRCyQ#action=share

Pato Donald Nazista
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=dXCo2i8vflM#action=share

Os três porquinhos
http://www.youtube.com/watch?v=tEcJF0EVT54

The pig thrifty  
http://www.youtube.com/watch?v=042XT5ewLPI

Pluto
http://www.youtube.com/watch?v=Z4497GEGOOg

Donald Gets Elaborado
http://www.youtube.com/watch?v=aDDvpTMABOQ

Commando Duck
http://www.youtube.com/watch?v=fdjtjEFR_88

Batalhas da Grã-Bretanha nos desenhos animados
http://www.youtube.com/watch?v=l44hY0Sf_3M

O jogo army velho
http://www.youtube.com/watch?v=xLnRJmQZxkk

The spirit of '43
http://www.youtube.com/watch?v=xphiYdfd-Tg

Fall out fall in
http://www.youtube.com/watch?v=fpKkyClqkd0

Razão e emoção
http://www.youtube.com/watch?v=FYvr28-5QKw

Spies
http://www.youtube.com/watch?v=WMqPv6YJMoI

Vídeos

Segunda Guerra Mundial
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=xlKP2c9O9pw


Cursos


Crise e ascensão dos regimes totalitários
http://ensinomediodigital.fgv.br/disciplinas/historia/curso1/aula4/curso.aspx?ida=4&idc=14&title=Hist%f3ria+-+Curso+1+-+Aula+4+-+Crises+e+ascens%e3o+dos+regimes+totalit%e1rios

Segunda Guerra Mundial
http://ensinomediodigital.fgv.br/disciplinas/historia/curso1/aula5/curso.aspx?ida=5&idc=14&title=Hist%f3ria+-+Curso+1+-+Aula+5+-+Segunda+Guerra+Mundial

Jogos

Warfare 1944
http://armorgames.com/play/4071/warfare-1944

Batalha da Inglaterra
http://www.maxgames.com/play/battle-of-britain.html

Pracinhas da FEB
http://www.historiadigital.org/historia-geral/idade-contemporanea/segunda-guerra-mundial/game-pracinhas-da-feb/

Comandante da Segunda Guerra Mundial
http://www.historiadigital.org/historia-geral/idade-contemporanea/segunda-guerra-mundial/game-segunda-guerra-mundial/

Atirador de elite
http://www.2dplay.com/the-sniper/the-sniper-play.htm

Soldado da Segunda Guerra Mundial
http://img6.clickjogos.uol.com.br/dl/a/abc82ea7a2c1553e9a4fe3ff96f281fa/src.swf

Visita virtual
Varsóvia, Polônia, antes da invasão nazista

           
   
           
   
           
   
           
   
           
   
           
           
           
   
       

sexta-feira, 8 de março de 2013

O Imperialismo


O imperialismo
 






Mapa sobre imperialismo
http://1.bp.blogspot.com/_ktn2DmlkK9g/TMygFM7k-5I/AAAAAAAADOA/p3wHv5esdss/s1600/Historia-AtlasHistorico-PartilhadaAfrica.PNG


Jogo sobre imperialismo

Leia o texto História do Imperialismo e Neocolonialismo em livro virtual. Clique no link abaixo:

sábado, 10 de novembro de 2012

Resposta da ANPUH à Folha

Mais uma boa resposta da ANPUH, dessa vez à Folha de São de Paulo:
Resposta da ANPUH ao artigo da Folha de S.Paulo
PROFISSÃO DE HISTORIADOR:
MARCHA DA INSENSATEZ OU DO DESCONHECIMENTO?

Nós, historiadores profissionais, sabemos que uma das regras básicas do nosso ofício é a elaboração de um discurso de prova, assentado na pesquisa e na crítica dos vestígios do passado, os documentos. Fernando Rodrigues, por não ter essa formação, talvez desconheça essa regra tão elementar e, por isso, não se deu ao trabalho de ler com atenção o documento que deveria balizar a sua análise (sic) publicada no jornal Folha de São Paulo de 10 de novembro de 2012: o Projeto de Regulamentação da Profissão de Historiador, aprovado no Senado Federal na última quarta-feira. Em nenhum momento este projeto veda que pessoas com outras formações, ou sem formação alguma, escrevam sobre o passado e elaborem narrativas históricas. Apenas estabelece que as instituições onde se realiza o ensino e a pesquisa de História contem com historiadores profissionais em seus quadros, por considerar que, ao longo de sua formação, eles desenvolvem habilidades específicas como a crítica documental e historiográfica e a aquisição de conhecimentos teóricos, metodológicos e técnicos imprescindíveis à investigação científica do passado. Da mesma maneira, a regulamentação pode evitar que continuem a se verificar, nos estabelecimentos de diversos níveis de ensino, situações como a de o professor de História ser obrigado a lecionar Geografia, Sociologia, Educação Artística, entre outras disciplinas, sem ter formação específica para isso (e vice-versa).

Temos certeza que o Senador Cristovam Buarque, tão sensível aos problemas da educação brasileira, apóia esta idéia, pois ela possibilita um ensino mais qualificado.

Temos certeza também que o Senador José Sarney, conhecedor do teor do projeto, está tranqüilo, pois sabe que não vai ser impedido, como nenhum cidadão brasileiro, de escrever sobre a história de seu estado, ou de qualquer período, indivíduo, localidade ou processo. Isso atentaria contra as liberdades democráticas, das quais os historiadores profissionais são grandes defensores.

Fique tranqüilo senhor Fernando Rodrigues, o senhor também poderá escrever sobre história. Só sugerimos que leia os documentos necessários antes de o fazer.

Benito Bisso Schmidt

Presidente da Associação Nacional de História – ANPUH-Brasil

domingo, 14 de outubro de 2012

A dura vida dos navegantes

 A vida a bordo de uma nau. Clique no link abaixo:
http://www.ribatejo.com/hp/passatempos/mostra_actividade.asp?cod_passa=401

A dura vida dos navegantes.
Fome, sede, doença e estupro eram apenas algumas das palavras incorporadas ao cotidiano dos navegantes nos séculos XV e XVI. Fugindo de uma vida dura na Europa, centenas de homens embarcaram nas caravelas dos descobrimentos. Alguns buscavam enriquecimento rápido e fama; outros, penitência pelos pecados e oportunidade de difundir a fé em Cristo. Eram atraídos pela brisa do mar e pela aventura, encontrando uma existência repleta de surpresas nem sempre agradáveis.
Dentre os obstáculos que precisaram ser vencidos para desbravar os mares, nenhum supera a dureza do cotidiano nas caravelas. Os tripulantes eram confinados a um ridículo espaço que impedia qualquer tipo de privacidade. Os hábitos de higiene eram precários. Proliferavam insetos parasitas: pulgas, percevejos e piolhos. O mau cheiro se acumulava, tornando-se insuportável em pouco tempo. Além disso, havia o perigo constante de naufrágio e a possibilidade de serem mal recebidos pelos nativos. Ainda assim, apesar de todas as mazelas, a vida no mar podia ser instigante: encontrar novas terras e gentes, escapar da rotina.
A rígida separação que existia na Europa entre nobres e plebeus, com leis distintas para cada categoria, era atenuada no universo marítimo. Só o mar podia proporcionar a quebra de hierarquia que dificilmente ocorreria em terra, num continente dominado pelos títulos de nobreza que separavam aqueles com sangue azul da imensa maioria da população. Os perigos e o limitado espaço para circular a bordo estimulavam a camaradagem, o que podia servir, inclusive, como meio de ascensão social.
Não foram poucos os escudeiros e simples marujos que, por mérito, acabaram agraciados com títulos de nobreza pelo rei de Portugal nos séculos XV e XVI. Foi o caso de João Afonso de Aveiro, um simples marinheiro que se tornou fidalgo e capitão de uma caravela, recebendo terras e um brasão do rei D. João II, por volta de 1585. Ele participou de expedições marítimas à África, embaixadas em terras de mouros como tradutor, por dominar o idioma árabe, e de batalhas como escudeiro.
Mas o risco constante de motim fazia com que os marinheiros fossem submetidos a uma rígida disciplina militar. Para garantir a ordem, cada capitão era obrigado por lei a ter duas peças de artilharia em seu camarote e a portar duas armas de fogo e uma espada.
Amotinados eram presos a ferros no porão, onde permaneciam até o fim da viagem. Quando em terra, não eram julgados, mas perdiam direito ao soldo e tinham os nomes incluídos numa lista negra que impedia que fossem admitidos em outro navio. Em certa ocasião, por exemplo, o capitão João Pereira Corte Real, tendo enfrentado um tumulto entre os marujos, enforcou dois homens e matou outro com estocadas do cabo de sua espada. O rei de Portugal – Filipe II, o mesmo que governava a Espanha por meio da União Ibérica –, quando soube do ocorrido, julgou-o merecedor de uma recompensa.
O ambiente de permanente tensão era gerado, em parte, pelo aperto a bordo. As caravelas tinham dimensões modestas. Desenvolvidas a partir de uma confluência de tradições, havia uma grande variedade de tipos, com dimensões entre sete e 18 metros de comprimento, tendo uma largura de um para três. Isto significa que a chamada “caravela latina”, a mais utilizada nas viagens de exploração da costa africana, com 16 metros de comprimento, teria cerca de cinco metros de largura.
Além do convés, que ficava a céu aberto, qualquer tipo de caravela tinha no máximo mais dois pavimentos inferiores. Este espaço era lotado com canhões, pólvora, munição e, principalmente, água e alimentos necessários para enfrentar o alto-mar, deixando pouco espaço para os marujos.
O número de tripulantes variava entre 12 e 120, muitas vezes envolvendo, além de marinheiros, bombardeiros responsáveis pelo manuseio dos canhões e soldados que deveriam garantir a segurança no desembarque em praias lotadas de nativos potencialmente hostis.
Nos pavimentos inferiores, o ar e a luz eram extremamente escassos, fornecidos apenas por fendas entre os ripados de madeira, que também deixavam passar água, tornando os porões abafados, quentes e úmidos. Nesse ambiente insalubre, apinhado de carga, os marinheiros ficavam amontoados em um único cômodo.
Cada marujo possuía um baú para guardar seus pertences, alojado embaixo do catre inferior, uma espécie de beliche de três ou quatro pavimentos de madeira que servia de cama, sem o conforto dos modernos colchões. Ali os tripulantes se revezavam para descansar.
Devido ao aperto nos navios, o abastecimento e a alimentação constituíram um problema permanente. Os gêneros embarcados tinham sempre uma péssima qualidade. Estavam frequentemente deteriorados ainda no início da viagem e terminavam apodrecendo em pouco tempo.
O rol dos produtos oficialmente embarcados incluía carne vermelha defumada, peixe seco ou salgado, favas, lentilhas, cebolas, vinagre, banha, azeite, azeitonas, farinha de trigo, laranjas, biscoitos, açúcar, mel, uvas-passas, ameixas, conservas e queijos. Também eram transportados barris de vinho e água, embora, depois de algumas semanas, o vinho se transformasse em vinagre e a água, em um fétido criadouro de larvas.
Para garantir a presença de alimento fresco, iam a bordo alguns animais vivos, principalmente galinhas, e, por vezes, bois, porcos, carneiros e cabras, brindando os embarcados com muito esterco e urina, que contribuíam para agravar o quadro de doenças entre os humanos.
Mesmo assim, raramente havia carne vermelha fresca, e, quando existia, uma arroba era fornecida, por mês, para cada homem – o equivalente a 2,510 quilos. Receber esta regalia era raridade. O embarque de animais de grande porte não era recomendado, tomava muito espaço, consumia víveres e água, deixava o ambiente ainda mais insalubre. Com sorte, peixe seco, cebolas e alho podiam ser fornecidos. Muitas vezes, na falta de lenha, peixe e carne eram consumidos crus.
Em viagens longas, passado um mês, o que sobrava para comer era uma espécie de biscoito duro e seco, então já todo roído por ratos e baratas. Nestas condições, a ração era distribuída três vezes ao dia, praticamente nunca excedendo uma porção de biscoitos, meia medida de vinho e uma de água. Diante da iminência da fome, muitos traziam seu próprio estoque de comida, outros optavam por tentar pescar nos períodos de calmaria ou caçar os muitos ratos presentes a bordo.
A dieta pobre em vitaminas explica diversas doenças que se tornaram corriqueiras nos navios, com sintomas como disenteria, febre, fraqueza extrema e desnutrição. A principal era o escorbuto, chamado na época de “mal das gengivas” ou “mal de Luanda”, provocado pela falta de vitamina C. Causava inchaço das gengivas e perda dos dentes, dilatações e dores nas pernas, conduzindo a uma lenta, horrível e dolorosa morte.
Ironicamente, no caso do consumo de ratos – o animal sintetiza a vitamina C a partir dos alimentos que consome –, os infortúnios vividos pelos mareantes em desespero, sem que soubessem, terminavam evitando o aparecimento do escorbuto.
A ausência de hábitos básicos de higiene piorava os estragos causados pelo alto grau de deterioração dos víveres. Não era costume, por exemplo, lavar as colheres, as gamelas e os pratos usados. Estes utensílios eram compartilhados, sendo de uso coletivo entre os tripulantes. Além disso, piolhos, pulgas e percevejos saltavam dos animais transportados e encontravam nas pessoas um farto terreno para proliferar.
Os tripulantes precisavam conter sua repugnância diante dos companheiros de viagem, que arrotavam, vomitavam, soltavam ventos e escarravam perto dos que comiam sua escassa refeição. Não havia instalações sanitárias a bordo. Eles faziam as necessidades se debruçando no costado da nau, na borda do navio, voltados para o mar. Alguns caíam enquanto buscavam alívio e nunca mais eram vistos. Aqueles que podiam, valiam-se de bacios, cujo conteúdo fétido era depois despejado em qualquer canto.
Tudo em meio ao convívio com gente que havia embarcado fugindo de desafetos ou da Justiça. Apesar de muitos buscarem redenção pelos pecados, outros estavam à procura de oportunidades de arranjar mais encrenca, cometer estupros ou atirar o companheiro ao mar para se apoderar de seus pertences.
Embora obstáculos como esses desestimulassem o sonho mercantilista e cristianizador, nada pôde impedir que o espírito de aventura fosse efetivado. Cada dificuldade serviu de lição para a etapa seguinte, possibilitando o domínio, pelos europeus, dos mares por desbravar.
Fábio Pestana Ramosé professor do Centro Universitário Monte Serrat e autor de Por mares nunca dantes navegados: a aventura dos descobrimentos (Contexto, 2008).
Saiba Mais - Bibliografia
LAPA, José Roberto do Amaral. A Bahia e a Carreira da Índia. São Paulo: Companhia Editora Nacional/Editora da Universidade de São Paulo, 1986.
MERRIEN, Jean. A vida quotidiana dos marinheiros no tempo do Rei-Sol. Lisboa: Livros do Brasil, s.d.
MICELI, Paulo.O Ponto onde estamos. São Paulo: Scritta, 1994.
Filmes
“Mestres dos Mares: o lado mais distante do mundo”, de Peter Weir (2004).

Artigo da Revista de História:

Você também pode gostar

Blog Widget by LinkWithin
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...